Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2012

Um poeta de contrato

Quero apenas um feixe de luz, hoje vou forçar minha criatividade, sei que tal coisa vil não se faz, mas o capitalismo me cobra, desce esse Whisky na goela pra catalisar o intelecto, os dedos correm pela maquina digitalizada que aponta cada erro ortográfico, mas que não pode compreende o teor da mensagem, vou contar a história de uma menina pura,uma garotinha de 10 anos, que usava vestido rodado, gostava mais de seu vestido branco com morangos. A menina pegava gravetos na rua, andava descalça porque gostava de sentir o toque do chão nos pés nus, uma ora ou outra se cortava com espinhos e mesmo assim não vestia os pés, a garota levava os gravetos pra atira-los no rio, fica alguns minutos sentada jogando seus gravetos, acreditava que os peixes os pegariam então ela dizia: - quando estiverem grandes eu volto pra buscar- então a menina  pulava a ribanceira e saia correndo pelo caminho entre a grama, tinha muitos amigos, mas sim, andava sozinha porque assim lhe convinha, alguns dias parava …